Logo Ivory

Categorias

Metodologias de desenvolvimento de software: conheça as principais

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
O método é sempre um aspecto fundamental para o sucesso do produto final, e com o desenvolvimento de software isso não é diferente. Descubra quais são as principais metodologias de desenvolvimento, suas histórias de origem, principais características, curiosidades e muito mais!

No geral, todo software de sucesso costuma ter um processo de desenvolvimento muito bem trabalhado. Mas para gerir um projeto com eficiência, é preciso escolher uma metodologia de software que seja adequada para você e sua empresa.

Afinal, cada método possui seus pontos fortes e fracos, e nem sempre o que serve para um projeto será o ideal para outro.

Então, se você quer entender melhor sobre esse assunto, está no lugar certo! 

Continue lendo para descobrir as 5 principais metodologias de software:

Quais são as principais metodologias de desenvolvimento de software?

Cascata (Waterfall)

desenvolvimento em cascata: exemplo de metodologias de desenvolvimento de software

A abordagem Cascata, também conhecida como Waterfall, é a mais tradicional metodologia de desenvolvimento de software.

A primeira descrição formal desse modelo foi feita por Winston Royce, cientista de computação estadunidense que foi diretor de software da Lockheed Corporation. Apesar de seu modelo já ter introduzido cada uma das etapas que são utilizadas até hoje, ele não usou o termo “Waterfall” para o método.

Aliás, ao descrever o modelo em Cascata, Royce na verdade estava querendo mostrar um exemplo de uma metodologia pouco funcional, principalmente por causa da sua estrutura demasiadamente engessada.

Além disso, o desenvolvimento em cascata é dividido em 5 etapas, que você confere abaixo.

As 5 etapas do desenvolvimento de software em Cascata

  1. Definição e análise de requisitos;
  2. Design do projeto;
  3. Implementação;
  4. Verificação;
  5. Manutenção.

Aqui, uma etapa de desenvolvimento só pode ser iniciada quando a anterior tiver sido concluída. Ou seja, tudo ocorre de forma linear e gradual, daí o nome “cascata”.

No entanto, existem diversos problemas relacionados a essa estrutura do modelo Waterfall. Os clientes, por exemplo, podem não ter uma ideia precisa dos requisitos do software na fase inicial, levando a sucessivas sessões de retrabalho e aumentando o tempo e o custo do desenvolvimento.

Os colaboradores da equipe podem ter dificuldades semelhantes em compreender todas as possíveis complicações relacionadas ao projeto durante a fase de design.

Dessa forma, em alguns casos é melhor fazer uma revisão do projeto do que prosseguir com um design que desconsidere novos requisitos ou restrições descobertas durante o processo de desenvolvimento.

Por causa desses problemas, diversas organizações já demonstram desinteresse em projetos que utilizem a metodologia em Cascata. É o caso do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, que dão preferência a processos de desenvolvimento iterativos e evolutivos, a exemplo das Metodologias Ágeis.

Desenvolvimento Ágil

O Desenvolvimento Ágil de Software, também conhecido como Metodologia Ágil, funciona de uma maneira bastante diferente do modelo em Cascata. Ao invés de tentar projetar ou prever os requisitos e desafios do projeto, a ideia é realizar sucessivas rodadas de desenvolvimento, colhendo feedback e realizando melhorias em cima disso.

Para tanto, há um esforço colaborativo entre as equipes de desenvolvimento e os consumidores finais do produto, justamente para fazer essa coleta constante de feedback.

Dessa forma, o processo deixa de ser estático ou linear e passa a ser adaptativo, flexível e iterativo, visando um aperfeiçoamento contínuo.

O Desenvolvimento Ágil foi popularizado a partir do “Manifesto for Agile Software Development”, lançado em 2001. O Manifesto tem como base 12 princípios, e você pode conferir cada um deles na lista abaixo.

Os 12 princípios do Manifesto para Desenvolvimento Ágil de Software

  1. Foco na satisfação do cliente, para desenvolver produtos capazes de gerar valor ao consumidor.
  2. Abraçar mudanças de requisitos, mesmo que ocorram de forma tardia no ciclo de desenvolvimento.
  3. Aumentar a frequência dos releases, reduzindo os prazos de entrega.
  4. Cooperação próxima e diária entre os desenvolvedores e os gerentes de marketing e administração.
  5. Criar um ambiente de trabalho que estimule a confiança mútua e a motivação.
  6. Enfatizar o máximo possível o diálogo presencial, face a face.
  7. Utilizar como régua de sucesso o valor criado pelo software.
  8. Buscar um desenvolvimento sustentável, capaz de manter um ritmo constante.
  9. Oferecer atenção contínua à excelência técnica e ao bom design de produto.
  10. Estimular a simplicidade, visando reduzir a carga de trabalho necessária ao máximo possível.
  11. Construir uma estrutura que permita a autossuficiência das equipes, algo fundamental para a construção de boas arquiteturas, requisitos e designs.
  12. Instigar reflexões frequentes dentro das equipes, ajustando o processo de desenvolvimento para maximizar sua eficiência.

Com o passar do tempo, o modelo de Desenvolvimento Ágil conquistou o universo de TI, se tornando cada vez mais popular e inspirando o surgimento de adaptações dessa estrutura principal.

 

Alguns dos frameworks que surgiram a partir disso são o Lean, Scrum, Extreme Programming e o DevOps. A seguir, vamos abordar cada um desses em detalhes.

Lean

A metodologia Lean originalmente surgiu na indústria, mas foi adaptada para o mercado de software a partir da popularização do Desenvolvimento Ágil.

 

O livro “Lean Software Development”, de 2003, foi o primeiro a utilizar o método no contexto de desenvolvimento de programas. Os autores resgatam as ferramentas e princípios da metodologia original e estabelecem relações do Lean industrial com o modelo Ágil.

O desenvolvimento em Lean pode ser resumido em sete princípios, que você confere na lista abaixo.

7 princípios da metodologia Lean

  1. Reduzir o desperdício;
  2. Amplificar a aprendizagem;
  3. Postergar as decisões;
  4. Agilizar as entregas;
  5. Empoderar as equipes;
  6. Estimular a integração;
  7. Otimizar o todo.

Além disso, a metodologia Lean é bastante utilizada em projetos cujo prazo é apertado, ou quando o orçamento reservado para o ciclo de desenvolvimento é muito limitado.

Em inglês, “lean” significa enxuto, daí o foco em reduzir qualquer desperdício e concentrar as energias apenas naquilo que for realmente necessário. Por isso, também, que a fase inicial do projeto em Lean se torna uma das mais importantes.

Afinal, ao realizar a análise econômica e elaborar o escopo do software, a equipe precisa logo de cara remover quaisquer etapas que forem muito intensivas no uso de recursos.

O Scrum é uma das metodologias ágeis mais famosas. O termo, inspirado no Rugby, surgiu pela primeira vez em um estudo de Harvard, publicado em 1986.

No esporte, o scrum é a formação dos jogadores, e como os autores do estudo queriam enfatizar os benefícios do trabalho em equipe para o desenvolvimento de software, eles acabaram se apropriando do termo.

O Scrum foi idealizado para equipes de 10 ou menos membros. Aqui, as tarefas são divididas em ciclos chamados de sprints, ou corridas curtas, outro termo inspirado no mundo dos esportes (desta vez do atletismo).

Dessa forma, cada sprint representa o tempo em que a atividade em questão deve ser concluída, geralmente com duração de 1 a 3 semanas. O time também faz o acompanhamento do progresso dos sprints através de reuniões diárias, chamadas de “daily scrums”.

No término de cada sprint, a equipe faz uma revisão do progresso, demonstrando o trabalho que foi feito e buscando fazer melhorias contínuas.

Assim, é possível acompanhar de perto as execuções de cada atividade, podendo até realizar desvios de curso com facilidade, seja para otimizar o uso de recursos ou para cuidar de alguma emergência que surgiu durante o desenvolvimento.

DevOps é um exemplo de metodologia de desenvolvimento de software

DevOps é um conjunto de práticas que combina desenvolvimento de software (Dev) com operações de TI (Ops), visando encurtar os ciclos de desenvolvimento e prover entregas contínuas de softwares de alta qualidade.

O termo surgiu pela primeira vez em 2009, numa conferência na Bélgica chamada “devopsdays”. Muitos dos fundamentos para essa metodologia foram inspirados no Lean e no Desenvolvimento Ágil.

Além disso, a forte adesão de muitas equipes ao DevOps pode ter relação com o fato de que é um framework bastante flexível, sendo feito por engenheiros de software e para engenheiros de software.

É importante destacar também que o DevOps não é apenas uma metodologia de desenvolvimento de software, oferecendo suporte também para mudanças na cultura organizacional.

Fazer com que os diferentes grupos trabalhem com coesão é um aspecto fundamental para empregar essa metodologia com sucesso. Por isso, o processo de implantação do DevOps tem como foco mudanças organizacionais que estimulem a colaboração entre as diferentes equipes da empresa.

Assim, a gente fica por aqui!

Gostou do conteúdo e quer continuar por dentro do universo de desenvolvimento de software? É só se inscrever na newsletter da Ivory!

Confira também: O que é PaaS? Exemplos, vantagens e desvantagens em utilizar

Veja também

Fale com um consultor

Fale com um consultor